Carpe diem - é possível?

Atualizado: 24 de ago. de 2021

Carpe diem - “Aproveite o dia; locução usada para enfatizar a necessidade de se aproveitar o presente, o momento atual, o agora, o dia de hoje: a vida é curta, por isso, carpe diem!” (fonte:https://www.dicio.com.br/carpe-diem/)


A primeira vez que li e realmente prestei atenção nessa expressão foi no livro “Depois daquela viagem”, de Valéria Piassa Polizzi, uma autobiografia onde ela fala sobre como contraiu o vírus HIV aos 16 anos e conta como convive com a doença. Na época, adolescente, li e fiquei com aquela frase na cabeça, mas sem entender muito como era sentir isso de verdade. É possível isso? Carpe diem. É possível viver assim?


Bom, mesmo já bem distante da adolescência, continuo sem ter uma resposta. Mas lembro de ter pensado nisso em alguns momentos complicados da minha vida ou de alguém muito próximo. Talvez tenha experimentado essa sensação com mais intensidade em alguns dos vários dias que acordei, tomei banho, tomei café e fui para a UTINeonatal.


Claro, tinha dias que a sensação era que meu corpo era simplesmente levado, já que sempre quem dirigia era o Ricardo e eu não precisava nem prestar atenção no trânsito. Às vezes eu falava, às vezes só ouvia e pensava em como a Marina tinha passado a noite, qual seria o desafio do dia, se ela estaria dormindo para acordá-la com um sussurro: “mamãe e papai chegaram”.


Outras vezes eu realmente sentia esse tal carpe diem tomar conta. E ia curtindo a sensação no caminho, pensando que aquele dia seria realmente um dia bom, que eu viveria cada segundo, aproveitando cada momento. Achando graça e lembrando de como estava envolvida e tocada com a história do livro quando contei quase tudo para a minha avó em uma viagem de ônibus para Porto Alegre. Gosto de pensar que nesses dias era a minha avó que sussurrava no meu ouvido: "Carpe diem". E a vida seguiu.


59 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo